Blog do @_ricardo

Cinema, economia, música e atualidades convergem aqui

Posts Tagged ‘2011

Os melhores filmes do ano de 2011

leave a comment »

Quem acompanha cinema sabe que o ano para a indústria cinematográfica não acaba dia 31 de dezembro e sim no domingo do Oscar. Isso se deve ao fato das produções terem datas agendadas para estreia no cinema de acordo com a data do prêmio, para estarem ainda na memória recente dos votantes. Obviamente, um filme de maio ou julho pode concorrer ao Oscar, mas os gastos na campanha publicitária do mesmo serão bem maiores, pois além de mostrar aos votantes que o filme (assim como os atores, roteiristas, …) está aí para receber a indicação será preciso relembra-los de por quê mesmo aquele filme merecia o voto dele.

Feita essa introdução, assim eu justifico a minha lista de melhores do ano que sai só agora e, compreende os filmes que são elegíveis ao Oscar 2012, ou seja, que tiveram lançamento (nos EUA) entre fevereiro de 2011 e fevereiro de 2012.

O ano de 2011 foi estranho para o cinema: foi um ano de escassez de grandes atuações femininas (como protagonistas) e sobraram grandes interpretações masculinas. Ficou difícil para escolher, ora por falta de opções para as atrizes ora por abundância (atores). Além disso, 2011 foi um ano de excelentes trilhas sonoras: Drive, Contágio, Cavalo de Guerra, A Invenção de Hugo Cabret, O Artista, Millenium – Os homens que não amavam as mulheres, só para citar alguns.

No entanto, os fatores que caracterizaram o ano no cinema foram:

1.a busca pelo passado, a ligação nostálgica com o que era bom (‘mas, será que realmente era bom?’ pergunta que expõe o tema central de Meia-Noite em Paris, de Woody Allen) e é vista claramenteem O Artista, O Espião que Sabia Demais, A Invenção de Hugo Cabret;

2.o sentimento (ou ausência dele, como em Drive) em doses exageradas e exuberantes como em Melancolia, A Pele Que Habito, Rango e, transcendendo os sentidos e entrando no campo da sinestesia, A Árvore da Vida;

Por tudo isso, 2011 é um ano em que seus filmes (mais do que nunca) não devem ser analisados separadamente. A análise do conjunto dá uma visão mais clara do que estamos pensando e querendo como sociedade.

Eis a lista:

TOP #10 de 2011

1 – Drive (Drive), de Nicolas Refn

 

2 – O Espião que sabia demais (Tinker Tailor Soldier Spy), de Thomas Alfredson

 

3 – Melancolia  (Melancholia), de Lars Von Trier

 

4 – Toda Forma de Amor (Beginners), de Mike Mills

 

5 – A Árvore da Vida (The Tree of Life), de Terence Mallick

 6 – Habemus Papam, de Nanni Moretti

7 – A Separação (A Separation), de Asghar Farhadi

8 – Rango, de Gore Verbinski

9 – A Pele Que Habito (La Piel Que Habito), de Pedro Almodovar

10 –X-Men Primeira Classe (X-Men First Class), de Matthew Vaughn

  • Melhor filme: Drive
  • Pior Filme do Ano: Inquietos (Restless);
  • Melhor diretor:  Nicolas Refn (Drive)
  • Melhor roteiro:  O Espião que sabia demais
  • Melhor ator: Jean Dujardin em O Artista
  • Melhor atriz: Kirsten Dunst em Melancolia
  • Melhor ator coadjuvante: Andy Serkis em Planeta dos Macacos
  • Melhor atriz coadjuvante: Shailene Woodley em Os Descendentes
  • Melhor elenco em obra cinematográfica:  Carnage
  • Melhor fotografia: A Árvore da Vida
  • Melhor animação:  Rango;
  • Melhores efeitos especiais: A Invenção de Hugo Cabret (Hugo)
  • Filmes Mais Superestimados:  O Homem que mudou o Jogo (Moneyball), Histórias Cruzadas (The Help), Missão Madrinha de Casamento (Bridesmaids)

– Menções honrosas (ou, “outros bons filmes do ano”):

Tudo Pelo Poder (The Ides of March), O Artista (The Artist), O Abrigo (Take Shelter), A Invenção de Hugo Cabret (Hugo), Like Crazy (Like Crazy), Carnage (Carnage), Margin Call – O dia antes do fim (Margin Call), Meia-noite em Paris (Midnight in Paris), Passe Livre (Hall Pass)

– Filmes com grande potencial mas que eu não assisti (ou, “o mea culpa”):

Shame, O Palhaço, In Darkness, Young Adult, Pina, Chico & Rita.

 

 

Os melhores discos de 2011 – parte 2 de 2 (10º ao 1º)

with one comment

No post anterior você conferiu a primeira parte da lista dos 20 melhores discos de 2011. Agora é a vez da última parte.

*alguns dos vídeos das músicas só podem ser vistos no Youtube, devido a questões de direitos autorais. Mas, é bem simples: é só clicar em “Assista no Youtube” que você será redirecionado a página para ouvir a música.

 —

10. “Wouned Rhymes”Lykke Li – toda a tristeza do mundo na voz da jovem cantora que sabe usar isso de forma contagiante. Impressionantes composições !

9. “Father, Son, Holy Ghost“, Girls – uma volta ao passado no rock. Nostálgico no nível máximo da escala indie. Algum DJ se anima a tocar na balada? Me avisa que eu vou.

8. “Helplesness Blues“, Fleet Foxes – o disco mais “bonito” do ano. Parece ter saído direto de um filme de Wes Anderson.

7. “Yuck“, Yuck – rock despretensioso, carregado de indignação e abusando de distorção. De repente, quando menos percebe, ele se torna um excelente disco, and it’s fabulous when it happens !

6. “Bon Iver“, Bon Iver – pegar a estrada numa tarde de domingo nunca mais será o mesmo após ouvir esse disco. Inspirador sem ser enganoso ou ilusório.

E o TOP 5 !!!

5. “What did you expect from Vaccines“, The Vaccines – um dos discos mais aclamados no mundo musical. Antes de ser lançado já contava com um grande hype. E foi compensado com um dos melhores discos do ano. Rock na essência.

4. “Smoke Ring For My Halo“, Kurt Vile – aproximando suas composições rock com uma leve (quase irreconhecível) batida country, Kurt Vile surpreende pela originalidade em cada uma das 12músicas.

3. “The English Riviera“, Metronomy – excelente uso dda house music nesse rock, com grandes raízes no pop. Uma “salada de frutas” com excelente sabor.

2. “Let England Shake“, PJ Harvey – uma das grandes artistas da atualidade presenteia 2011 com essa obra-prima, resultado de suas angústias mais intensas. Cuidado: ao escutá-lo você corre o risco de acabar repensando toda a sua vida.

1. “Collapse into Now“, R.E.M – o disco de despedida da lendária banda de rock. Uma obra prima pela energia das suas músicas e pela clareza com que são apresentadas, contando a história do colapso (seria o fim da banda?) numa visão bem positivista mas sem nenhum clichê.

Agora é a vez de você fazer a sua parte: comentar aqui noo blog e dizer o que achou das escolhas feitas. Você pode perceber que foi levado em conta o álbum como um todo, por isso discos do Foo Fighters, Arctic Monkeys, Kooks, Radiohead não entraram; tem boas músicas isoladamente.

E, que venha 2012. O que esperar do próximo ano em termos musicais ? Para saber, continue visitando o blog.

Written by _ricardo

23/12/2011 at 13:15

O ano na música brasileira

leave a comment »

Dando uma pausa na lista dos melhores discos do ano deste blog, que não apresenta nenhuma menção ao cenário nacional, destaco neste post o que se sobressaiu no ano no Brasil:

– O bom trabalho de Marcelo Camelo (Toque Dela)

– O R&B melódico  de Criolo (Nó na orelha)

– A volta de Chico Buarque (Chico).

Além disso, dois videoclipes chamaram a atenção (assim como os filmados em preto-e-branco por Criolo):

– Thiago Pethit com Nightwalker

Móveis Coloniais de Acaju com O Tempo

Written by _ricardo

18/12/2011 at 14:35

Publicado em Listas, Música

Tagged with , , , , , , , ,

Os melhores discos de 2011 – parte 1 de 2 (20º ao 11º)

with 2 comments

O que seria dos finais de ano sem todas as listas de melhores filmes, músicas, séries, fotos, times de futebol, etc? Além de compartilharem a visão de quem elaborou a lista, esse hábito é sadio quando estimula a busca e investigação sobre os itens apresentados e inspira a comparação com o seu gosto pessoal, leitor.

Nesse post, apresenta-se a lista dos considerados 20 Melhores Discos de 2011 para o editor do underlinericardo.wordpress.com.br. Foi uma tarefa árdua incialmente levantar todos os discos com saldo positivo do ano, totalizando 55 !!! E, depois disso, o trabalho ficou mais criterioso ao elaborar a ordem de qualidade e apenas apresentar os 20 melhores. A ideia inicial era que se apresentasse apenas o top 15, mas depois dos 10 primeiros, os demais estão um nível muito semelhante. Por isso, são os 20 melhores do ano. Para dar tempo de você conhecer (e apreciar) eles, a lista foi dividida em 2 posts, começando com este que apresenta da 20ª a 11ª posição e o grande top 10 fica para o próximo post.

Mas, antes da lista, um resumo do ano: 2011 foi um ano fantástico em termos fonográficos. Se, no ano passado houve poucos bons discos e muitos discos medianos, em 2011 foram vários bons discos fazendo que a tarefa de ordená-los nesse post ficasse mais difícil.. Num balanço geral, foi um ano positivo para música nacional e internacional, onde o rock, em suas diversas vertentes, foi o grande destaque no quesito qualidade.

Você verá que nenhum disco nacional está na lista, em função do autor não ter acompanhado o cenário nacional na mesma intensidade que o dos gringos. Porém, no próximo post vão estar presentes algumas dicas do que o Brasil produziu na música em 2011.

E, para quem ficar saudosista e quiser relembrar os 15 melhores discos do ano passado eles estão nesse post: 15º ao 11º; 10º ao 6º; top5 5º ao 1º.

Confira abaixo a primeira parte dos 20 melhores discos de 2011*

*alguns dos vídeos das músicas só podem ser vistos no Youtube, devido a questões de direitos autorais. Mas, é bem simples: é só clicar em “Assista no Youtube” que você será redirecionado a página para ouvir a música.

 ————

20. “El Camino“, The Black Keys – após o grande sucesso do o último trabalho, a dupla vai para o mainstream  e produz esse disco que segue a linha do álbum do ano passado. Em termos de qualidade é indiscutível, porém parece que eles continuam em 2010. Por outro lado, é uma das poucas bandas que mantem um apelo indie e provocativo no rock mundial. Recomendo a banda de olhos fechados.


19. “Anna Calvi“, Anna Calvi – uma profusão de sons e a raiva da cantora convertida em energia em suas músicas.

18. “Move Like This“, The Cars – a banda que fez muita sucesso no rock dos EUA de 1970 a 1978 decide voltar em 2011 para lançar esse álbum. E, mesmo com tempo parado eles não deaprenderam como criar riffs e dar uma cara contemporânea as suas composições.

17. “Cerimonials“, Florence and the Machine – A banda encontrou um tom mais harmonioso entre todas as músicas do disco e repete o sucesso e qualidade do trabalho anterior. Para ouvir e esquecer que existem problemas impossíveis de se solucionar.

16. “Smother“, Wild Beasts – batidas eletrônicas dão o tom a esse verdadeiro estudo contemplativo da banda. Para escutar, sentado na sacada com a leve brisa de verão.

15. “The World is Yours“, Motörhead – o rock heavy metal como tem que ser: o ritmo impulsionando a letra e significado.

14. “Blood Pressures“, The Kills – uma das melhores bandas da década em seu trabalho deste ano mantem seu estilo inovador (que o Black Keys tomou emprestado, também). A ideia de “cantar como se não houvesse amanhã” se faz presente e, se o disco não tem uma evolução tão primordial, as qualidades individuais se destacam.

13. “The Whole Love“, Wilco – cada vez mais reflexivo, o Wilco em alguns momentos do álbum até esboça sentimento de esperança que é rapidamente inundado por um pessimismo sutil. Quase como se eles dissessem “assim caminha a humanidade……”.

12. “Velociraptor“, Kasabian – um disco um pouco repetitivo, mas com identidade britânica única e fantástica. Escutá-lo e não pensar “Quero uma cerveja”, tarefa impossível.

11. “Demolished Thoughts“, Thurston Moores – considerado o melhor do ano para alguns críticos, é inegável a qualidade do artista em criar excelentes composições e montar um disco que conta uma história, tem ritmo e elegância. Coisa rara.

E, no próximo post, os 10 melhores !

Written by _ricardo

18/12/2011 at 14:16

Short Review: Super 8

leave a comment »

“Escrito e dirigido por JJ Abrams (o criador de Lost), produzido por Steven Spielberg”. A junção desses dois nomes seria a combinação ideal para um filme de ficção que pretendesse ousar. O resultado é que, embora seja bom em alguns pontos, Super 8 é tudo menos inovador.

A produção deste ano que conta a história de um misterioso ser que aparece em uma pequena cidade dos EUA e é vista pela ótica de um grupo de crianças metidas a produtores cinematográficos (aí o nome do filme, super 8 é um dos mais clássicos modelos de câmeras) traz bons momentos e tem um acabamento visual e enquadramentos (assim como noção de profundidade) excelentes.

As atuações são boas e os destaques são o grupo de garotos que se sai muito bem e Elle Fanning, que vem se mostrando uma das melhores atrizes mirins de Hollywood desde Somewhere.

Porém, se a técnica do filme e as atuações são boas o mesmo não se pode dizer do enredo, que quase compromete a película. Uma história ousada não pode ser construída a partir de tantos clichês. Obviamente, de alguns não se pode fugir, mas o abuso deles no filme (morte trágica da mãe do protagonista, cidade pequena – smallville, caixa d’água, pai policial-herói, projeto secreto do governo,….) tira toda a inovação – principal promessa do filme. Resta nos perguntarmos:

Quantos clichês um filme necessita para ganhar forma?

A resposta na ponta do lápis eu não sei, mas Super 8 claramente ultrapassou esse valor.

Nota: 3/5

Written by _ricardo

29/08/2011 at 21:58

Resumo de Cannes 2011 – Principais filmes

leave a comment »

Depois da semana de exibições de filmes no Festival de Cannes, com a premiação (no júri presidido por Robert De Niro) e comentários da crítica especializada, apresento aqui os principais filmes que você deve ficar de olho, pois Cannes, muito mais que o Oscar (e outros prêmios) é realmente uma celebração a arte, deixando o business e lobby da indústria cinematográfica de lado.

Drive – filme que mais empolgou durante todo festival e levou o prêmio de melhor diretor (para Nicolas Hefn). Conta a história de um dublê (Ryan Gosling, em excelente fase) que usa suas habilidades para crimes.

A árvore da vida (The Tree of Life) – ganhou o prêmio de Melhor Filme (Palma de Ouro). Dirigido pelo  mestre Terrence Malick, com Brad Pitt e Sean Penn tem tudo para ser um dos favoritos ao Oscar de melhor filme em 2012. Em Cannes, quem viu, saiu dizendo que era a “melhor coisa já vista” ou “a pior”. Um genérico “ame ou odeie”. Enfim, é o meu favorito entre todos os filme do ano.


Melancholia – deu prêmio de melhor atriz a Kirsten Dunst e causou polêmica pelas declarações de seu diretor. Virou notícia em todo o mundo. Quanto ao filme,  o trabalho de Lars von Trier segue sua sina intimista e, olha a ironia, melancólica. Não é um filme para o grande público.

La Havre – um dos favoritos para a Palma de Ouro, perdeu na última hora. Do cultuado diretor Aki Kaurismäki.


A Pele que habito (La piel que habito) – um dos melhores filmes de Pedro Almodóvar, que se lança no gênero terror com sucesso.

O Garoto da Bicicleta (Le gamin au vélo) – do cultuado diretor Jean-Pierre Dardenne, conta a história de um garoto que é abandonado pelos pais e passa pela mão de vários tutores.

O Artista (The Artist) – deu prêmio de melhor ator a Jean Dujardin. Tem ainda no elenco, John Goodman e James Cromwell. A história de um ator na Hollywood da década de 1920. Esse filme ainda vai dar muito o que falar na corrida do Oscar, fique de olho.

Meia-noite em Paris (Midnight in Paris) – o novo filme de Woody Allen. Melhor recebido pela crítica que os últimos do cineasta (que já eram bons). Não estava competindo pelos prêmios, apenas teve exibição em Cannes. A história de um escritor em decadência que decide ir a Paris buscar inspiração. Com Owen Wilson, Marrion Cotillard e Rachel McAdams. 


This must be the place – filme do italiano Paolo Sorrentino traz Sean Penn como um roqueiro acabado, de 50 anos, que decide procurar o seu pai, um nazista. Não foi premiado no festival mas é consenso que a atuação de Sean Penn vale uma indicação aos principais prêmios do ano.

Omiti desta lista vários filmes, que certamente (e infelizmente) “morrerão” no ano, isto é, terão estreia limitadas e provavelmente nem virão ao Brasil. Quiça em DVD.

Outro caso curioso é o do filme Footnote, que ganhou prêmio de melhor roteiro, mas foi muito criticado. A única ressalva foi o roteiro. Mas a obra em si, passa batido perto dos outros desta lista.

O que esperar de 2011 no cinema ? (os filmes para ver em 2011)

leave a comment »

A resposta ao título do post está, para mim, na lista dos filmes (não-nacionais) que eu aguardo ver em 2011. É muito provável que, ao reler a lista, lembre de algum que esqueci. Mas, todos aí acredito que são boas apostas para 2011.

(antes do título do filme, o nome do diretor)

  1. Alexander Payne, “The Descendants
  2. Cameron Crowe, “We Bought a Zoo
  3. David Cronenberg, “A Dangerous Method
  4. David Cronenberg , “Cosmopolis“.
  5. David Fincher, “Os Homens que Não Amavam as Mulheres
  6. David Gordon Green, “Your Highness
  7. Francis Ford Coppola, “Twixt Now and Sunrise
  8. George Clooney, “The Ides of March
  9. Gus Van Sant, “Restless
  10. J.J. Abrams, “Super 8
  11. Jason Reitman, “Young Adult
  12. Jodie Foster, “Um Novo Despertar
  13. Jon Favreau, “Cowboys & Aliens
  14. Juan Antonio Bayona, “The Impossible
  15. Lars von Trier, “Melancholia
  16. Martin Scorsese, “Hugo Cabret
  17. Martin Scorsese,  “Living in the Material World: George Harrison
  18. Matthew Vaughn, “X-Men: First Class
  19. Michael Haneke, “Amour
  20. Nanni Moretti, “Habemus Papam
  21. Pedro Almodóvar, “La Piel que Habito
  22. Richard Linklater, “Bernie
  23. Sarah Polley, “Take This Waltz
  24. Steven Soderbergh, “Contagion
  25. Steven Soderbergh,  “Haywire
  26. Steven Spielberg, “As Aventuras de Tintin: O Segredo do Licorne
  27. Steven Spielberg, “War Horse
  28. Terrence Malick, “A Árvore da Vida
  29. Tom Hanks, “Larry Crowne
  30. Tomas Alfredson, “Tinker, Tailor, Soldier, Spy
  31. Woody Allen, “Midnight in Paris
  32. Roman Polanski, “God of Carnage
  33. Joe Johnston, “Capitão América

Written by _ricardo

19/05/2011 at 00:17

%d blogueiros gostam disto: