Blog do @_ricardo

Cinema, economia, música e atualidades convergem aqui

O que a guerra entre Google e Facebook tem a ensinar para as empresas ?

leave a comment »

A rivalidade entre as empresas do setor da Internet é a que mais deve ser acompanhada por todas as empresas, pois costumeiramente é a que dita rumos da economia e faz com que grandes empresas de setores distintos  – como GE, Coca Cola ou Hyundai –  alinhem sua estratégia de venda e de posicionamento global com base no que Facebook, Google e Apple adotam como prioridade.

O mais recente capítulo dessa rivalidade entre as marcas do setor Internet é o estudo desta semana da Business Insider que aponta (como pode ser visto no gráfico abaixo) que o tempo gasto no Facebook aumentou 70% enquanto nos demais sites diminuiu 10% desde março do ano passado.

 

Na prática, além de mostrar que as pessoas preferem se dedicar mais aos seus amigos virtuais do que navegar em busca de informação, esses dados mostram também a consolidação do Facebook como maior site mundial (nessa semana a rede social atingiu a marca de 750 milhões de usuários).

Numa análise mais embasada, a valorização monetária do Facebook desperta o medo de termos uma “Bolha da Internet” nas bolsas de valores, isto é, medo de que as ações do Facebook, cuja mensuração de quanto realmente valem é mais difícil (afinal, é de um site que estamos falando e não de uma montadora de carros) seja obtida através de especulações financeiras e fique muito suscetível as oscilações de mercado. A euforia causada pela sua valorização só aumentará o valor de suas ações (causa e consequência) e, para valores astronômicos alcançados, uma eventual queda, mesmo que percentualmente pequena, acarretaria numa grande perda de dinheiro. Dinheiro de cidadãos que esperavam ganhar rendimentos com ações e, sobretudo, dinheiro de outras empresas (vital para seu capital) que apostaram nas ações do Facebook como forma de obterem lucros. E isso implica não somente num possível fim ao site, mas também, mineradoras, empresas do ramo têxtil, bancos, etc, entrando em crise.

Se, por enquanto, o temor da bolha do Facebook não passa de mais um motivo de preocupação aos economistas, por outro lado, visível é a decadência, em termos financeiros (não se questiona aqui a funcionalidade), do Google frente ao Facebook. Ambos partem de uma ideologia semelhante: disseminar os valores da geração Y no mundo, primando pela simplicidade. Mas as semelhanças param aí. E, são as diferenças entre os dois que todas as empresas deveriam estar de olho. Numa análise simplória (e, com certa razão), entre Google e Facebook pode-se afirmar que enquanto um revolucionou a Internet e a levou a um status de indispensável na sociedade (Google), o outro apenas criou um site para você manter contato com seus amigos (Facebook). Mas é justamente o Google que vem perdendo espaço e sendo considerado por alguns especialistas como algo bom que aconteceu, mas que não tem novas perspectivas. Apesar da minha perplexidade com os rumos que a rivalidade Facebook x Google vem tomando, é fato que se podem extrair várias lições para as empresas, baseadas no padrão Facebook de sucesso, entre elas:

– nunca se valorizou tanto o capital humano como hoje. As redes sociais são, acima de tudo, sociais. E é nessa diretriz que as empresas devem apostar: desvincular sua hierarquia rígida e adotar sistema de redes de trabalho entre seus funcionários. A velha ideologia da “recompensa e punição” não funciona mais.

– as pessoas não desprezam propagandas quando as propagandas são segmentadas conforme as preferências do cliente (e que banco de dados o Facebook tem para saber se lhe anuncia um livro de ficção científica ou um DVD de uma comédia romântica!);

– ser “apenas” simples e útil (Google) não basta;

– presença global é um atrativo (aí nos lembramos da decadência do Orkut, praticamente nacional);

– não enxergue as outras empresas apenas como um concorrente; sempre há espaço para parcerias;

– estimule a inovação. E a inovação pode vir de qualquer um (exemplo disso são os aplicativos que incrementam o Facebook e são desenvolvidos por pessoas de todo o mundo – open source);

– a empresa precisa ser transparente em suas ações. E isso não se consegue com campanhas publicitárias milionárias, deve ser ideologia do cotidiano da Diretoria (lembrem das apresentações dos produtos/serviços da Apple e Facebook, seus CEOs estão vestidos informalmente e seu discurso é feito para os clientes/usuários e não para os jornalistas que estão cobrindo a conferência);

E o que podemos esperar do futuro? Que a bolha se concretize? É incerto. No momento, o Google trocou seu CEO para tentar frear avanço do Facebook. Para mim, no entanto, o que definirá se realmente o Google (e demais sites) serão tachados como “antiquados” ou não dependerá de quem conquistará a “fronteira final”: a China, o país mais populoso do mundo e que praticamente não usa nem Google nem Facebook.

Anúncios

Written by _ricardo

26/06/2011 às 20:02

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: