Blog do @_ricardo

Cinema, economia, música e atualidades convergem aqui

Review: An Education, o desinteresse completo

leave a comment »

Esta é uma crítica ao filme AN EDUCATION, ou se preferir, SEDUÇÃO (em terras brasileiras). Portanto, se você não assistiu ele, o texto conterá spoilers

Caro leitor, não há como medir o quanto esperei para ver An Education, filme de 2009 que está na disputa por prêmios em algumas categorias, incluindo o Oscar. Fiquei ansioso para ver o filme, pois seu trailer denota a sensação de um clássico iminente, um must-see movie. Ah, doce ilusão, pois o filme não passa de mais uma releitura sem expressividade sobre pessoas antiquadas tentando par parecerem bacanas.

Na busca de evitar uma “refilmagem” de Lolita, a diretora Lone Scherfig decide passar uma imagem mais afastada da paixão entre a estudante do Ensino Médio e do homem mais velho, que depois descobrimos ser casado. Uma decisão ousada e muito difícil, que requer grande foco nas personagens de modo isolado, mas não nas suas relações.

Após certa reflexão, chego a conclusão que o filme não é ruim, longe disso, mas lhe falta muito para entrar nas listas de “melhores do ano”, pois não há nenhum aspecto em perfeição. A atuação da postulante ao Oscar, Carey Mulligan, com raras exceções, como nas poucas vezes em que deixa sua expressão facial transmitir seu estado de espírito, parece afetada por um roteiro sem expressividade, frio em seu significado mais cruel. A construção dos pais da protagonista, entre eles o veterano Alfred Molina, com uma fachada protetora, mas, terrivelmente amedrontados com o fracasso da filha, por mais atemporal que seja, é uma das poucas características que se sobressaem na película inteira.

Ainda sobre as atuações, Peter Sarsgaard é uma das grandes decepções do filme, pois ao interpretar o homem mais velho que conquista a colegial, desnvolve seu papel sem nenhuma paixão, chegando ao abismo de retratar o início da paixão do casal protagonista de forma muito apressada e superficial. Percebe-se que pode ter sido, além do roteiro, falha do ator na caracterização da personagem, pois é muito mais fácil sentirmo-nos à vontade na presença do seu amigo inseparável de golpes e furtos do que com sua personagem.

Um ponto positivo são as cenas que se passam em Paris, onde parece que não é o mesmo filme, pois as personagens, bem como a direção de arte, se revelam de forma comedida, mas marcante. Por que as cenas posteriores não seguiram o mesmo ritmo? Por isso, principalmente, o filme me entristece ainda mais.

Com uma direção distante, porém com movimentos de câmera acertados o filme acerta e erra sequencialmente, esbarrando em barreiras como a do roteiro, que explora muito mal o tema que poderia ter sido o principal, a educação da garota (vide o título), mas que passa ele como um conto londrino – muitas histórias folclóricas e a impossibilidade da identificação do espectador com a história sendo contada.

O final, que poderia salvar o filme, não consegue cumprir sua missão, e de forma desinteressante (entendam, não a decisão de a garota voltar a faculdade, mas sim como é constituída a última cena) apresenta os créditos, encerrando assim, uma hora e meia da qual não levamos nenhum sentimento ou paixão duradoura, por mais que o filme se esforce para deixar sua marca, apenas mais uma experimentação que não teve grandes méritos.

Nota: 6/10.

Anúncios

Written by _ricardo

18/01/2010 às 21:46

Publicado em filmes e seriados

Tagged with , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: